Arquivo

Posts Tagged ‘Linux’

Lista de IPS atualizada do WHATS APP

29 de dezembro de 2015 Deixe um comentário
Whatsapp

IPS WHATSAPP

Lista atualizada de IP’s que o Whats App utiliza para a comunicação do aplicativo com os servidores.  A relação contém todos os blocos IPV4 e IPV6 utilizadas pelo app.

No caso de você querer bloquear o tráfego em sua rede para o Whats App, terá que bloquear todos os IPS na lista. Se não tiver saída v6, bloqueie apenas os IPv4.

LISTA DE IP’s: Clique aqui.

Para bloquear por nome, utilize os DNS listados nesta página: https://github.com/ukanth/afwall/wiki/HOWTO-blocking-WhatsApp

 

Anúncios

Checar versão do Zabbix Agent!

9 de fevereiro de 2015 Deixe um comentário
Zabbix

Zabbix

Checar versão do Zabbix agent no host client.

O Zabbix é uma excelente ferramenta de monitoria de ambiente de infraestrutura de TI. Consegue medir a saúde e nos dá uma boa predição sobre nosso parque.

Recentemente descobri que após a atualização de versão, uma determinada feature que havia inserido em um template que eu criei para monitorar o status do Xeams e do Zimbra, não estava funcionando. Iniciou uma verdadeira peregrinação no linux para entender o motivo de tal feature estar prejudica. Após uma sequência de análise, descobri que o problema estava na versão do Agent do Zabbix que estava desatualizada. Após atualizar a mesma a feature voltou a funcionar. Estranho, pois a mesma feature foi escrita na versão anterior do Agent do Zabbix.

Dito isso, me preocupei em checar todas as versões de Agent Zabbix do meu parque, para isso eu utilizei o comando:

zabbix_get -p 10050 -k agent.version -s 192.168.1.25  

Isto dentro de um laço for, me retornou todos os agents obsoletos. Abraços.

Categorias:Bash, Debian, Shell, zabbix Tags:,

Criando uma pasta para muitos usuários Zimbra

6 de março de 2014 Deixe um comentário
Zimbra

Zimbra

Criando uma pasta para muitos usuários Zimbra

Este script abaixo, lê um arquivo com lista de várias contas de email e cria uma pasta com a cor verde para os usuários.

A tarefa que eu tinha, era vincular uma conta IMAP externa a cada um dos logins inseridos na lista, e para isso precisava criar um diretório para que as mensagens provenientes desta conta ficassem armazenadas. Para isso usei o script abaixo para criar as pastas.

for x in $(cat /tmp/list.txt); do zmmailbox -z -m $x cf -c green /Pasta; done 

 

Conteúdo do arquivo list.txt:

account1@domain.com.br
account2@domain.com.br
account3@domain.com.br
account4@domain.com.br
account5@domain.com.br
 
T+

Códigos de status do log do Squid!

9 de dezembro de 2013 Deixe um comentário
Squid Web Proxy

LOGO SQUID

O Squid é um software desenvolvido para plataformas like Unix (porém também roda em ambientes Microsoft) cujo intuito é definir regras de acesso à internet através de ACL’s, permitindo o acesso ou barrando e até mesmo redirecionando o tráfego. Pode fazer cache das páginas acessadas, otimizando o tráfego da rede bem como também pode usar softwares terceiros para analisar o log e gerar relatórios de acesso. Alguns analisadores do log do Squid são o MYSAR e o SARG, ambos Open Source.

Quando temos algum problema de acesso no Squid, recorremos ao log para analisar o que pode estar acontecendo e resolver o problema. Ao analisar o Log, nos deparamos com códigos que nos dizem o que realmente está acontecendo no acesso. O difícil é decorar todos estes códigos que são referenciados pela RFC2616 do IETF de 1999.

Por esta razão estou postando uma tabela com todos os códigos possíveis que o Squid pode apresentar no log.

CÓDIGO DESCRIÇÃO
000 Resposta não recebida (Possível problema no link internet)
1xx Série de respostas informativas
100 Continue
101 Troca de protocolos
2xx Série de respostas de acessos bem sucedidos
200 Ok
201 Criado
202 Aceito
203 Informação não autorizada
204 Sem conteúdo
205 Conteúdo apagado
206 Conteúdo parcial
3xx Série de Redirecionamentos
300 Múltiplas escolhas
301 Movido permanentemente
302 Encontrado
303 Veja outros
304 Não modificado
305 Use o proxy
306 Não utilizado
307 Redirecionamento temporário
4xx Série de erros no cliente
400 Má resposta
401 Não autorizado
402 Pagamento requisitado
403 Negado / Proibido
404 Não encontrado
405 Método não encontrado
406 Não aceito
407 Pedido de autenticação no proxy
408 Tempo excedido
409 Conflito
410 Feito
411 Tamanho requerido
412 Falha pré-condicional
413 Entrada de requisição extensa
414 URL requisitada muito extensa
415 Tipo de mídia não suportada
416 Range requisitada não satisfatória
417 Falha na espera
5xx Série de erros no servidor
500 Erro interno do servidor
501 Não implantado
502 Gateway incorreto
503 Serviço indisponível
504 Tempo excedido do gateway
505 Versão HTTP não suportada
6xx Série de erros do proxy
600 Resposta errada do cabeçalho

Instalando Java no Debian Wheezy!!!

7 de agosto de 2013 Deixe um comentário

Instalar o Java (Oracle) 7 no Debian Wheezy

Java Linux

Java Linux

Essa eu recebi por email de alguém! =P

Da formas possíveis de instalar o ORACLE Java 7 no Debian Wheezy, optei pela utilização de um repositório.

Este não contém o Java propriamente dito, mas o seu instalador, que permite obter o software a partir do site oficial.

#1 – Adicionar o repositório ao /etc/apt/sources.list

#Java 7 (Oracle)
deb http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu precise main
deb-src http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu precise main

#2 – Adicionar a chave

apt-key adv –keyserver keyserver.ubuntu.com –recv-keys EEA14886

#3 – Atualizar a lista de pacotes

apt-get update

#4 – Instalar o Java (É necessário aceitar a licença)

apt-get install oracle-java7-installer

#5 – Definir variáveis de ambiente

apt-get install oracle-java7-set-default

#6 – Testar

Se tudo correu bem, o Java já está instalado.

Para testar podemos usar a página de teste oficial: http://www.java.com/en/download/testjava.jsp

#7 – Outras dicas

  • Verificar que versões do Java estão instaladas

update-java-alternatives –list

  • Versão do java

java -version

  • Selecionar uma versão

/usr/sbin/update-alternatives –config java

Categorias:Debian, Java, Linux, Wheezy Tags:, , ,

Conectando remotamente no MYSQL usando o Shell!

7 de junho de 2013 Deixe um comentário

Conectando remotamente no MYSQL usando o Shell!

Quando precisar acessar um Banco Mysql remotamente via shell, utilizar a sintaxe abaixo:

mysql -u username -p -P n_port -h ip_host database_name

Exemplo:

mysql -u jacques.beijer -p -P 73307 -h 201.201.201.745 cafeina_database

Lembrando que você precisa definir permissão de acesso (grant) para o host que irá acessar, essa permissão tem que ser feita no host que hospeda o banco de dados. Esta permissão (tem um post meu só sobre permissões) pode ser definida com o comando abaixo:

root@takakaos:~# mysql -u root -p
Enter password:
Welcome to the MySQL monitor.  Commands end with ; or \g.

mysql> grant all privileges on *.* to usuario@ip_host_remoto 
IDENTIFIED BY 'senha_xpto';
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)

mysql> flush privileges;
Query OK, 0 rows affected (0.00 sec)

mysql> exit
Bye
root@takakaos:~#

Para conectar usando tunel, usar a sequência abaixo:

ssh -L 73307:mysql.host.com:3306 user@host.com
mysql -u user -p -P 73307 -h 127.0.0.1 database

Teclas de Atalho – Shell Bash (Bourne Again Shell)

5 de junho de 2013 Deixe um comentário
Shell_Bash

Shell_Bash

Aumentando a produtividade utilizando teclas de atalho no Shell Bash!!!

No cotidiano de um administrador de Sistemas Linux via Shell Bash a ausência do mouse nunca me incomodou, exceto quando estou escrevendo uma linha de script razoavelmente grande e desejo ir para o meio desse script em pleno bash, sem estar em um arquivo com algum editor. Putz. Isso realmente é algo que o Linux peca um pouco… Mas comparado com tudo que ele faz, esse problema passa até despercebido.

Mas estamos falando de Linux, um sistema que foi projetado pensando em cada pequeno detalhe. Por esta razão, as teclas de atalho do shell bash resolvem vários problemas, sem falar que linhas de código maiores que duas linhas, devem ser escritas em um editor VIM.

Por esta razão, estou colocando aqui algumas das principais teclas de atalho do Bash.

Teclas de atalho: Descrição
As teclas de atalho abaixo funcionam quando as teclas default são utilizadas.

Tab ⇆ : Autocompleta o comando a partir da posição do cursor.
Ctrl+a : Move o cursor para o inicio da linha, equivalente a tecla Home.
Ctrl+b : Move o cursor um caractere atrás.
Ctrl+c : Envia o sinal SIGINT para tarefa atual, então esta é cancelada e fechada.
Ctrl+d : Envia o marcador EOF, este fecha a sessão atual do shell, igual ao exit.
Ctrl+d : Deleta o caracter corrente, se existirem caracteres digitados.
Ctrl+e : Move o cursor para o final da linha, equivalente a tecla End.
Ctrl+f : Move o cursos para o caracter seguinte.
Ctrl+g : Aborta a pesquisa e restaura a linha original.
Ctrl+h : Deleta o caractere anterior, equivalente a tecla Backspace.
Ctrl+i : Equivalente a tecla Tab.
Ctrl+j : Equivalente a tecla Enter.
Ctrl+k : Limpa o conteúdo da linha que está após o cursor e copia 
         este conteúdo para área de memoria.
Ctrl+l : Limpa o conteudo da tela, equivalente ao comando clear.
Ctrl+n : Recupera o próximo comando (equivalente a tecla ↓).
Ctrl+o : Executa o comando encontrato do histórico.
Ctrl+p : Recupera o comando anterior (equivalente a tecla ↑).
Ctrl+q : Adiciona o próximo caractere digitado à linha textualmente.
Ctrl+r : Executa o ultimo comando digitado.
Ctrl+s : Volta ao próximo comando digitado recentemente.
Ctrl+t : Avançar os dois últimos caracteres.
Ctrl+u : Limpa o conteúdo da linha anterior ao cursor e copia o conteúdo para 
         área de memoria.
Ctrl+v : Adiciona o próximo carácter à linha textualmente.
Ctrl+w : Apaga a palavra depois do cursor e copia para área de memória.
Ctrl+y : Comando colar.
Ctrl+x Ctrl+e : Edita a linha atual no programa $EDITOR, ou vi.
Ctrl+x Ctrl+r : Ler o conteúdo do arquivo inputrc, e incorporar todas as 
                ligações ou atribuições de variáveis ​​encontradas lá.
Ctrl+x Ctrl+u : Desfazer, separado por linha.
Ctrl+x Ctrl+v : Exibe informações sobre a versão da instancia corrente do bash.
Ctrl+x Ctrl+x : Alterar a posição do cursor para sua antiga posição. 
                (C-x, porque x tem uma forma de passagem).
Ctrl+z : Envia o sinal para SIGTSTP a tarefa atual, para suspende-lo. Para 
         executá-lo em segundo plano pode-se entrar no bg. Para trazer de 
         volta através de fundo ou suspensão fg ['nome do processo ou 
         identificação de trabalho "] (primeiro plano) pode ser emitido.
Ctrl+_ : Desfazer, separado por linha.
Alt+b : move o cursor para palavra anterior.
Alt+c : Capitaliza o caracter sob o cursor e move para o final da palavra.
Alt+d : Corta a palavra depois do cursor.
Alt+f : move o cursor para próxima palavra.
Alt+l : Transforma para caixa baixa todo caractere a partir do cursor 
        em toda palavra.
Alt+r : Cancela as alterações e colocar de volta a linha de como era na história.
Alt+u : Transforma para caixa alta todo caractere a partir do cursor em toda 
        palavra.
Alt+. : Insira o último argumento para o comando anterior (a última palavra da 
        entrada história anterior).

 

[]’s